Blog PELEJAS
em 03/04/2011

Hoje é aniversário de  Ademir da Guia, maior ídolo da história do Palmeiras, onde foi titular absoluto por quase dezessete anos. É considerado um dos melhores jogadores do futebol brasileiro de todos os tempos. Pela classe com que jogava herdou o apelido de seu pai, Domingos da Guia, um dos maiores zagueiros do futebol mundial em todos os tempos, e passou a ser chamado de "Divino".

Nasceu no Rio de Janeiro, em 3 de abril de 1942.

 

Alto e esguio, Ademir chegou a jogar como centroavante no início da carreira, mas sempre preferiu o meio-de-campo. Chegou em São Paulo em 1961 contratado junto ao Bangu-RJ, clube que o revelou para o futebol.


 

 

No seu DNA de craque, além da influência do seu pai famoso, encontramos a do seu tio, Ladislau da Guia, o maior artilheiro da história do Bangu, com 215 gols.

Formou o famoso meio-de-campo Dudu & Ademir, base das duas Academias do Palmeiras nas décadas de 1960 e 1970.

 Dudu e Ademir


 

A Academia da década de 1970: Eurico, Leão, Dudu, Luís Pereira, Alfredo, Zeca, Edu, Leivinha, César, ADEMIR DA GUIA e Nei.

 

Ademir é tido como um dos craques mais injustiçados da história do futebol brasileiro, pois durante toda a sua brilhante e longa carreira, foi convocado apenas 14 vezes para a Seleção, e disputou apenas uma partida de  Copa do Mundo, em 1974, quando o Brasil já estava desclassificado, na disputa pelo 3º lugar contra a Polônia. Sobre isso o ex-jogador Sócrates declarou: “Ele foi o maior dos injustiçados.”

Parabéns Divino Ademir da Guia. Feliz aniversário.

Obrigado. Quem agradece é o futebol.

 

Algumas frase sobre Ademir da Guia:

“Nome, sobrenome e futebol de craque.” (Armando Nogueira)

"A gente brincava de 'bobinho' nos treinos e tentava fazer o Ademir ir para o meio. Todo mundo tocava para ele com efeito, mas não tinha jeito. Do jeito que a bola viesse ele dominava. Eu não me lembro de uma única vez em que o Ademir tenha ido para o meio da roda."  (Leivinha, ex-jogador, jogou com Ademir no Palmeiras)

"O preço que vocês pagaram, não é o que vale só uma das pernas dele!" (Freitas Solich, técnico do Flamengo, em 1961, dirigindo-se a um dos diretores do Palmeiras, que acabara de comprar Ademir da Guia do Bangu)

 

"Sem Ademir da Guia o Palmeiras é menos Palmeiras." (Rubens Minelli, técnico)

Divino pela própria natureza.” (Raul Prates)

Divino!” (Djalma Santos)

 

A arte e Ademir da Guia:

- Poema “Ademir da Guia” de João Cabral de Melo Neto, Publicado no livro Museu deTudo (1975).que sintetiza o futebol do Divino:

Ademir impõe com seu jogo
O ritmo do chumbo (e o peso)
Da lesma, da câmara lenta,
Do homem dentro do pesadelo
Ritmo líquido se infiltrando
No adversário, grosso, de dentro,
Impondo-lhe o que ele deseja,
Mandando nele,
Apodrecendo-o
Ritmo morno, de andar na areia,
De água doente de alagados,
Entorpecendo e então atando
O mais irrequieto adversário

 

- Filho do Divino

(Música composta por Arnaud Rodrigues e gravada por Moacyr Franco)

Ouça em Real Player:   

 

Obrigado Domingos
Pois que deste ao mundo
Um filho Divino
Dez de ouro de lei
Do quilate mais fino
E assim quis o destino
Que as passadas do pai
O filho fosse o seguidor
Na passada sublime
Seus cabelos de fogo
São fios de vime
Ele é filho do mestre
Do monstro de um time
Que o mundo define
Os verdes campos mundiais
Entre urros e gritos
Humilde rei
E seu nome entre os mitos
Eu cantarei
Força nos pulmões
Vibrem corações
Torçam com os passes
Deste Mágico Divino
Igual ao pai
Porque hoje é domingo
Ele faz o que fez
Em mil outros domingos
Ele pisa na grama
E ela fica sorrindo
E um gol explodindo
Obrigado Domingos
Por nos dar um novo guia.

 

- Livro biográfico “Divino: a vida e a arte de Ademir da Guia” de Kleber Mazziero de Souza, lançado em 2001.

- “Um craque chamado Divino”, filme-documentário lançado em 2006, escrito por Penna Filho e Cláudio Schuster e dirigido por Penna Filho.

- Em 1º. de setembro de 1986 Ademir ganha um busto no estádio Palestra Itália, homenageando o maior camisa 10 da história do clube.


 


 

Números:

Jogos realizados pelo Palmeiras: 900 (recordista)
Vitórias: 511
Empates: 231
Derrotas: 158

153 gols marcados pelo Palmeiras (3º. maior artilheiro da história alviverde)

12 partidas pela seleção

 

Títulos conquistados pelo Divino:

* Campeonato Paulista: 1963, 1966, 1972, 1974 e 1976.
* Torneio Rio-São Paulo: 1965.
* Torneio IV Centenário da Cidade do Rio de Janeiro: 1965.
* Taça Brasil: 1967.
* Torneio Roberto Gomes Pedrosa: 1967 e 1969.
* Troféu Ramón de Carranza (Espanha): 1969, 1974 e 1975.
* Torneio Laudo Natel: 1972.
* Torneio Mar del Plata (Argentina): 1972.
* Campeonato Brasileiro: 1972 e 1973.

 

Veja alguns gols de Ademir da Guia:


por: Ailton Moraes

em 02/04/2011

O Guarani Futebol Clube, time que tem como apelido "Bugre", comemora hoje, 2 de abril de 2011, o seu Centenário. Em 100 anos de história o Guarani traz na memória do futebol grandes vitórias. Foi fundado na Praça Carlos Gomes, da cidade de Campinas, praça essa que homenageia o autor da consagrada ópera “O Guarani”.

Seu primeiro estádio, “Estádio do Guarany” inaugurado em 1923, deu lugar, em 31 de maio de 1953, ao "Brinco de Ouro da Princesa”, um dos maiores estádios do Brasil, nome dado por um jornalista  presente à apresentação de sua maquete, comparando seu formato a um brinco e associou ao apelido da cidade de Campinas (Princesa D'Oeste). O estádio acomodou públicos superiores a 50.000 pessoas em várias decisões esportivas.

O Guarani possui dois vice-campeonatos brasileiros, em 1986 e 1987, classificando-se em três oportunidades para a disputa da Taça Libertadores da América, principal competição sul-americana de futebol. Foi o primeiro clube do interior paulista a ser Campeão Estadual Amador, em 1944. Os primeiros títulos da era profissional foram os de campeão da 2ª divisão paulista de 1949 e dos Torneios-Início dos Campeonatos Paulistas de 1953, 1954 e 1956. A Taça dos Invictos da Gazeta Esportiva, em 1970, e a Taça Almirante Heleno Nunes (referente à conquista do primeiro turno do Campeonato Paulista), em 1976, são outros marcos da história do clube.

Na América do Sul, além de disputar a Libertadores da América em três ocasiões (1979, 1987 e 1988) o Bugre também participou da extinta Taça Conmebol em 1995.

Grandes nomes do futebol também fizeram parte da história do Guarani, entre eles Zuza, Zenon, Amaral, Renato, Zé Carlos, Careca, Evair, Neto, Ricardo Rocha, João Paulo, Júlio Cesar, Djalminha, Edílson e Luizão. Esses nomes estarão para sempre na memória do torcedor bugrino e de todos os torcedores que apreciam o futebol bem jogado.

Até hoje o Guarani é o único clube do interior a ter conquistado o título da primeira divisão do campeonato brasileiro. Isso aconteceu em 1978 em peleja contra o Palmeiras. O treinador do Guarani era Carlos Alberto Silva.

Saiba quantas vezes o Guarani enfrentou o Palmeiras, o Corinthians ou o São Paulo, pesquisando aqui no PELEJAS.

 

                                        Guarani: Campeão Brasileiro de 1978


Em pé: Zé Carlos, Gomes, Edson, Mauro, Neneca e Miranda. Agachados: Capitão, Renato, Careca, Zenon e Bozó.

 

Reveja lances do jogo decisivo do Brasileirão de 1978:

 

por: Equipe PELEJAS

Exibindo posts 10 a 15 (total de 12)
Páginas:
001  002  003  
Enquete PELEJAS
Como será o Palmeiras na fase de grupos da Libertadores 2020?

Primeiro colocado
Segundo colocado
Terceiro colocado
Quarto colocado
Destaques
26/11/2019
21/10/2019
10/06/2019
03/03/2018
24/01/2018
Arquivo de Posts

Amigos do PELEJAS


Fatal error: Uncaught exception 'TwitterException' with message 'Server error: Unknown SSL protocol error in connection to api.twitter.com:443 ' in /home/storage/5/1d/31/bolagol/public_html/twitter/twitter.class.php:226 Stack trace: #0 /home/storage/5/1d/31/bolagol/public_html/twitter/twitter.class.php(255): Twitter->request('statuses/user_t...', 'GET', Array) #1 /home/storage/5/1d/31/bolagol/public_html/twitter/twitter.class.php(122): Twitter->cachedRequest('statuses/user_t...', Array) #2 /home/storage/5/1d/31/bolagol/public_html/rodape.php(7): Twitter->load(1, 3) #3 /home/storage/5/1d/31/bolagol/public_html/blog.php(428): include('/home/storage/5...') #4 {main} thrown in /home/storage/5/1d/31/bolagol/public_html/twitter/twitter.class.php on line 226